Maria João Worm


Ocorre por vezes a eternidade, a desnecessária explicação da vida
25 Maio 2009, 8:13 pm
Filed under: Uncategorized

Os patos trazem muitas vezes, no canto do bico, pedaços de relva; de resto um pato tem sempre uma boa apresentação. Tenho uma pata que gosta de ficar por perto, com quem convivi dias seguidos quando  fui desenhar junto do lago.  Aproxima-se, deita-se e descansa. Tem os olhos muito profundos, mais escuros, bonitos. O olhar dos patos é muito expressivo. Todos são convocados para o banquete, se houver o que comer; a minha companheira, sobre o verde, já tentou vir mordiscar tubos de tinta mas sobretudo visita-me, num gesto independente. Tem um ar delicadamente interessado, sentimo-nos bem perto uma da outra. No fim, a água do frasco em que lavo os pincéis fica da mesma cor pardacenta da água do lago.  (no desenho, ela é a que espreita com a máscara vermelha. )pata

Anúncios

Deixe um Comentário so far
Deixe um comentário



Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: