Maria João Worm


Emulsão, polaroid , paragem em andamento.
31 Outubro 2011, 11:49 pm
Filed under: Uncategorized

Pensei. Tenho que dizer.

Dizer, primeiro era desenhar; porque vi.

Mas como passei e continuei, desenhar seria uma lembrança.

Bem sei que se podem escrever desenhos.

Podem ser palavras: Pássaro, Penas, Pernas , Patas.

Percebe-se que o que aparece, instantâneamente associa-se.

Vi um pombo morto e já vi tantos (acho que este teria morrido há pouco) Não me aproximei, continuei a andar.

Há o lugar e o tempo, não só pela morte mas porque se sente o encontro.

A única coisa que me faz detestar a Arte é este olhar estético que se detém no sofrimento.

O pombo morto, ou a morrer (não me certifiquei) Jazia.

Belo, sem dúvida. Uma pose de lado, com cinzas de grafite e os verdes metálicos das varejeiras.

Esta beleza diz, eu sei que diz.

Mas o quê.



Búzios-Project Fountain- últimos poemas
19 Outubro 2011, 1:29 am
Filed under: Project Fountain

Nunca correr e fumar foram parceiros.

Dizem que existem amores assim,

dizem que se complementam.

Por mim

às vezes acho penas,

moedas,

elásticos de cabelo,

um brinco.

O que acho,

fico sempre a saber que pertence a quem perdeu.

Já tive vontade de trazer para casa o que foi perdido por outros.

Ninguém perde dois brincos, ainda bem.

Perde-se sempre uma parte.

De facto encontramos pedaços que contam histórias onde lhes falta o que nos falta.

Nunca quero apanhar búzios na praia, talvez pela orfandade,

que eu não saberia o que fazer dela.

Gosto de os ver mas não os recolho.

Não saberia onde lhes dar outro lugar.

Josef Almeida ( poeta e tradutor)



Plágio com consideração e admiração
2 Outubro 2011, 4:07 pm
Filed under: Uncategorized

 

 
 
copiado do blog que encontrei por acaso : 
 
 
 
 
Este blog reúne notas variadas de leitura e tradução de Walden, de Henry D. Thoreau.
Todas as referências e citações em português remetem à edição da L&PM, 2010.

 

By another spring I may be a mail carrier in Peru—or a South American planter—or a Siberian exile—or a Greenland whaler, or a settler on the Columbia River—or a Canton merchant—or a soldier in Florida—or a mackerel fisher of Cape Sable—or a Robinson Crusoe in the Pacific—or a silent navigator of any sea—So wide is the choice of parts, what a pity if the part of Hamlet be left out.