Maria João Worm


Habitar uma pintura
14 Novembro 2011, 6:23 pm
Filed under: Uncategorized

Quando as casas vão abaixo, fica o respeito da memória ocupada pelo espaço vazio. A ausência flutua contra todas as regras fisicas. As paredes ligadas ao prédio do lado ainda se mantêm, guardam a cor numa quadricula, do que foi a sala, o quarto, a casa de banho, a cozinha, o hall de entrada se for esse o caso da construção. Mas é impressionante o que fica na parede. Pinturas de espaços agora confinados ao plano; como se fossem pinturas à parede que nem outra coisa na vida tivessem contido. Outro ponto importante é que se perde a divisão, apenas a cor diz onde foi o lugar que agora está prensado na única dimensão, cada parede é um quarto porque as outras três caíram. Não há chão e perdeu-se o tecto, fica uma pintura amputada que só por si faz o carrego das paredes que se foram. Lá em baixo crescem ervas, plantas que ninguém semeou, o que sempre esteve presente no alicerce anterior.

Anúncios

Deixe um Comentário so far
Deixe um comentário



Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: