Maria João Worm


Exposição
16 Novembro 2011, 6:51 pm
Filed under: Uncategorized

Às vezes penso que mais vale estar calada, mas se nuns casos faz sentido noutros parece-me que é mais para me proteger. Pelos vistos esta é uma das vezes que arrisco a sinceridade não por desempenho opinativo mas porque este trabalho ( de Miguel Branco) no pavilhão branco do Museu da Cidade me deu força para acreditar ainda na Arte. Mesmo que através dela tenha ficado a consciência de como o artefacto é questionado enquanto supérfluo. A representação dos monges como contentores/corpo; obra trabalhada, olaria transformada para receber o que não se representa senão pelo lugar que pode conter o invisível que de outro modo não se poderia evocar. Talvez por isso o pedinte em barro, condição dos corpos que ao viver sabem da morte e partilham o mesmo chão; depois o bronze que guarda o registo segundo uma técnica, uma coisa produzida por um certo saber que une arte e ciência ( um certo saber técnico que permite a alquimia possível), tal como a impressão das borboletas. O enquadramento da aparente ausência, por falta de massa física, cria a presença do que as conchas das mãos fazem ao substituir as taças. Este para mim torna-se o ponto mais difícil de dizer, porque se as mãos se bastam, são as mesmas que moldam. Para mim é uma questão fundamental: tudo pode ser visto como intervenção, viver ocupa espaço, mas no que acho que se eleva e que para isso é tocado e alterado, ou melhor continuado no seu essencial, tem uma escolha ou é escolhido para o fazer, aí ainda me parece ser o valer a pena, dar a reconhecer aos outros, o que não nos pertence mas que tocamos ao sentir a existência. A extraordinária beleza da simetria das borboletas, nesta condição que pelos olhos se alimenta, integra o corpo; mas é na contemplação da sua representação (não a borboleta esvoaçante ou alfinetada em colecção, mas tranformada sem perder a referência reconhecível do ser vivo) que torna claro que apesar da carne definhar, o espaço interior guarda, revela, e pode perpetuar-se como um som.

Anúncios

Deixe um Comentário so far
Deixe um comentário



Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: