Maria João Worm


Project Fountain
30 Janeiro 2012, 5:47 pm
Filed under: Project Fountain

Amar

Lembro-me, já sem ter outra prova senão perguntar-te e tu concordares.

Lembras-te?

Foi encantador termos encontrado uma procissão de caracóis em Roma.

No Egipto tudo me pareceu queimado e triste e tu disseste que afinal não tinha sido grande ideia querer ver o que sonhávamos ser o Nilo.

Em Florença tivemos uma insónia histórica,

e no Japão brincámos como crianças sob as amendoeiras em flor.

Se tu disseres que sim eu sei que fomos exactamente assim.

(poema de Alphonse S.)

Anúncios


Insisto na exposição no Museu de Etnologia com trabalhos de António Peralta
25 Janeiro 2012, 12:28 am
Filed under: Uncategorized

Poderia deixar apenas ” ARTE SÔ. De tal modo me tocou a exposição que me pareceu tonto acrescentar palavras. Mas não resisto. Quem possa ir ao Restelo, ver esta exposição não perca. Infelizmente a imagem facultada pelo Museu corta o enquadramento, todas as histórias esculpidas vivem de um enquadramento que é de uma beleza e integridade que acho que faz o todo que andamos à procura. Uma felicidade estranha ao mundo das artes, por ser exactamente. E ao ser assim,  encontra a dificuldade de se catalogar e arrumar.

 Não existe lugar para um arrumo, nem deveriamos deixar que existisse, para tão extraordinário trabalho. Ele pode não ser sempre constante, mas isso não é exactamente perguntar? Ou pelo menos experimentar?

Está o Museu aberto aos sábados e domingos. E se vos acontecer o mesmo que senti, vale o esforço.



Arte sã, António Peralta
23 Janeiro 2012, 1:02 pm
Filed under: Uncategorized



nuvens
22 Janeiro 2012, 1:31 pm
Filed under: Uncategorized

 

Nas nuvens não se rasuram palavras, as frases são atmosféricas e transformam-se. Não há permanência de forma.

As nuvens dizem a vida e eu acredito que escrevem o que está no início da chuva. Na incontornável dureza de ser delicado em cada gota.

Conter o princípio e precipitar o ir sendo,

porque ninguém sabe quando vai chover.



Acerca de um filme a preto e branco; mudo
10 Janeiro 2012, 8:50 pm
Filed under: Uncategorized

Crianças a brincar com fisgas, atordoam-se, sem se perderem. “we got almost lost”.

É interessante como a alegria é sempre condicionada e circunstâncial; excesso de sol.

Interessante a coreografia da caça que me faz lembrar o filme Mouchette.

Bonito o tempo e a expressão dos corpos e de todo o paraíso natural,

mas habitado nos papéis sociais.

Ninguém está liberto. Nem a Sra. que prefere sonhar o domingo na cama.

A diferença maior é que amar não é só jogo de caça, onde o pardal exibe o peito para ser atingido pelo caçador que se acha mais sedutor do que seduzido.

Encontrar a dor pode ser o preço da vontade de descobrir o outro e o próprio.

Mas há mais do que papéis e protagonismo, este é apenas um tempo de começar. Amar é outra coisa que não se cinge ao desejo pueril. Nem os Senhores se apropriam, nem as Senhoras estão disponíveis.

Dar ao outro o que é mais do que rendição ou subjugação é possível, quando cessa a licença de caça e existe vontade de ser mais do que desejo na primeira pessoa



Duas passagens
1 Janeiro 2012, 1:25 pm
Filed under: Uncategorized

Existe uma música que sempre esteve presente. Um lugar geogramático onde as palavras dizem profundamente  o que nos escapa quando apenas  respiramos. O som da grafite parece uma conversa apressada à medida que hesito ou avanço nas nas palavras escritas. O meu coração não se parte é inquebrável, o meu coração morre e renasce porque continua. Mas doi em cada parte que morre e tornou-se habitual doer e eu fico por enquanto viva. Verão de 2008,  apanhei do chão um pardal pequeno, alimentei-o durante dois dias. Ontem parecia mais forte, hoje às 6 da manhã estava cheio de vida. A vida é vermelha e laranja, tem veios escuros e sobretudo canta a mesma música do ritmo de respirar que tudo o que existe vivo partilha. Mais uma vez, sem saber despedi-me da vida. Tive-o nas mãos que tenho quase sempre vazias. Ele aconchegou-se, entregou-se ao lugar quente e húmido que é outra caracteristica da vida. Mas também neste lugar de calor e água que cada um tem enquanto ser vivo, sabe-se que tem lugar a morte e que viver  é quase a doença mortal por excelência. O pequeno pardal morreu sózinho, num pano às riscas, sob o calor de uma lâmpada. Antes, às 6 da manhã, ainda os dois vivos, trocámos pensamentos e eu admirei mais uma vez, esta presença extraordinária da força ritmada que nos dá a vida. Olhei e senti-lhe o corpo. Pensei tão dentro de mim que foi como um acto religioso em nome da vida e da morte. Hoje já não existe o pardal e eu ainda sobrevivi. Ainda não o enterrei, fá-lo-ei amanhã, domingo, talvez bem cedo quando a luz não doi nem queima porque assim era o seu corpo frágil, despido, atravessado da mesma matéria das minhas mãos. Hoje a minha mão direita tem a forma de um ninho vazio.

 

17.30 29 de dezembro de 2011

Em dias de Inverno,  como este,  de céu azul.

Atravessando a alameda de plátanos,

as árvores estão cheias de pássaros que enchem com convicção o ar.

E o nosso corpo existe calado entre o restolhar das folhas que se pisam ou empurram.

É certo que o som irrequieto, tolda-nos.

Não  há acesso às nuvens, só à gravidade do chão.

O tempo existe porque o coração vive 

 e as árvores, inesperadamente cantam.