Maria João Worm


Recordação avulsa de Lisboa
18 Maio 2014, 9:19 pm
Filed under: Uncategorized

derrete

 

Houve em tempos, 2 séculos atrás, um muro chamado Muro do Derrete.

Que em 2 domingos consecutivos acontecia na feira das Mercês.

Quando não havia feira,  decerto nele poisariam pardais e dormitariam gatos.

Ou caracóis guiados, pela branda marcha da aventura,  lhe terão deixado o brilho passageiro do seu muco lunar cristalizado.

Geograficamente, entre eventuais musgos verdes e líquenes amarelados, carreiros de formigas reconheceram o terreno.

Uma ou outra lagartixa terá aproveitado um momento de introspecção, e decerto terão sido muitas as assinaturas em mijo.

Estamos portanto,  aparentemente,  a falar de um muro transponível de baixa compleição, aprazível e discreto não fora os dois domingos do calendário da feira.

Aí o muro tomava o lugar de assento para meninas em idade casadoira à espera de serem examinadas, namoradas e finalmente escolhidas, por rapazes imbuídos do mesmo propósito final.

Quero crer que nas Hortas,  à sombra do arvoredo, um homem que tocava realejo e uma rapariga que trocava frases soltas, se encontraram e foram juntos ver o Teatro Circo Price na rua do Salitre.

 

 

 

 

Anúncios

Deixe um Comentário so far
Deixe um comentário



Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: