Maria João Worm


A fonte das palavras 3 poemas
25 Setembro 2011, 6:41 pm
Filed under: Uncategorized | Etiquetas: , ,

Perder faculdades

não é faltar às aulas do ensino superior

e claro é, que no desaproveitamento convencional

do acesso à informação, se apreende o que fica

no lugar sem nome

que é a dúvida sem fundamento:

Os cogumelos que crescem junto à raíz daquela árvore são grumosos,

bizarros na forma.

Pequenos mas monstruosos.

Não sei se são venenosos.

                                          .

Quando morre alguém a meio de um trabalho

e outro alguém, ainda vivo, o continua

sinto uma presença mais viva do que estar vivo.

Lembrar, dando corpo ao outro corpo desaparecido

pode ser o caso transvestido do amor que se completa no encontro da impossibilidade.

                                                                   .

Se pensarmos que o meu corpo é habitado por mim mas que poderia ser habitado por ti

se tu tivesses nascido no meu lugar.

E apesar de nos nossos gestos diferentes existir a mesma responsabilidade de habitarmos um terreno baldio,

Sabemos que em nós está presente, a imperfeição de não sermos o outro.

(Esther F. W. W.  tradução de Esther F. W. W.)

Anúncios


Project Fountain 1 novo poema
24 Agosto 2011, 11:10 pm
Filed under: Uncategorized | Etiquetas:

 

Spectacles

Já sabes que eu não sei

mas especulamos (à inglesa com óculos

de fundo de garrafa).

Às frases bonitas

empreende-se o trabalho da inscrição

como na corrente de ouro do relógio de bolso.

A eterna ignorância é um motor que se contraria.

O vazio define-se nos aros.

Justificando a pose nua de um adereço potencial.

Uma peça que permite o acesso embaciado das dioptrias

à ciência miope e estrangeira ao corpo.

É difícil ficar na erudição do tacto

que nunca quis mais do que sentir.

(poema de Louise G. Traduzido por Rosalinda F.T.)



Project Fountain
22 Junho 2011, 9:37 pm
Filed under: Project Fountain, Uncategorized | Etiquetas: ,

às vezes, a maior parte das vezes, falo à procura das palavras. Mesmo quando encontro a graça que serve para me encontrar com o outro defendendo-me deste despropósito que é estar acompanhada no mesmo lugar onde nos debruçamos sobre o vazio imenso. Com os amigos estou num grande navio de contornos mais nitidos. Do alto do coração que se entende como uma amurada e se define pelas marcas dos salpicos salgados. Não sei aceder nem partilhar apenas ficar. Desejar é conseguir inventar partes de livros. Imagens soltas em que se perde o propósito do discernimento da responsabilidade autoral. Por vezes tenho imagens nítidas de ilustrações, Animais que aparecem sobre o verde alagado de chuva que fazem com que ainda se enleve o sentido mais selvagem das minha últimas vontades. Tenho pensado que das memórias alteradas da minha infância guardo o corpo deitado de barriga para baixo. As unhas sujas da cor das coisas da terra e o coração a bater de encontro ao chão. Estar só eis de onde vim e para onde vou. O que permanece mais firme é a solidão. O que ainda gosto está preso no olhar que não consigo reter, o que amo usa as folhas das árvores e atravessa as estrelas que eu desconheço. Assisto desde criança a esta morte que se sente a viver. Vejo e morro em pedaços que se espalham como imitações de luz.

escrito e traduzido por quem se deu como Anónimo



Project Fountain #6 ( dois pequenos poemas traduzidos)
6 Maio 2011, 2:18 pm
Filed under: Project Fountain | Etiquetas: , ,

 

às flores pequenas que caem das árvores

 eu só posso dizer que não saberia deitar-me debaixo da árvore e ficar à espera que me tocassem que me preenchessem ou me debruassem.

Não saberia fazê-lo porque já me tenho com tudo contado e assim não sei senão contar o tempo nesta coisa que nos ensinam.

Lembro-me de um sentir que desatento do seu próprio corpo era o lugar onde caíam as flores.

 posso invocar mas já não sou capaz de me encontrar sem dar conta disso.

(Louise G. traduzido por Trans. Correct)

às vezes não tem graça tocar realejo

 A pressão que sinto no peito é um aviso, eu sei que é um aviso que de dentro empurra para fora e que resiste à força da pressão exterior.

Não sei quem começou a fazer força. Não sei se fui eu que me enchi demasiado

ou se de fora me apertaram e eu reajo.

(Trails F. forg. traduzido por Rosalinda F.T.)



Project Fountain #5 (dois poemas traduzidos)
16 Janeiro 2011, 6:38 pm
Filed under: Project Fountain | Etiquetas: , ,

 

História de Amor

Encontrei uma flor num muro. parecia um fóssil

No tecto da casa havia outra flor que por vezes parecia um rosto.

deformava-se com a ajuda da luz e da persistência.

Quando insistimos em olhar as imagens,

o desejo de fazer coincidir o olhar com o tempo,

não consegue o lugar de encontro,

entre demasiado e intensidade.

Apesar de todo o cuidado, os tectos e as paredes mudam.

Não se podem usar palavras com suficiente exactidão

para definir as paisagens que se servem sem julgamento.

Tudo o que existe fora deste lugar indica pela forma concêntrica

que estamos geográficamente na intersecção dos ossos.

E a carne que nos é servida é a do nosso coração.

Ocorre por vezes a eternidade, a desnecessária explicação da vida.

A morte densa e azul, feita de corpos fisicos,

aproxima-se da representação de uma alma táctil,

expressão traduzida a vermelho de um corpo opaco e pesado.

Este deserto onde o ar é quase irrespirável

sobrevive através de tudo o que anuncia a morte.

O sol está no chão e o o céu gravado em estrelas fósseis.

(texto de Louise G. Traduzido por Rosalinda F.T.)

 

       O principe das mãos vazias

       Carreirinhos são lugares

        Que se podem percorrer

        Exercicios do olhar

        Que os pés deixam antever

         Se cada passo que fica

         Justifica um mais à frente

         Mesmo que se repita

         Vai sempre sendo diferente

         Como os passos são precisos

         Para definir os lugares

         Os seus cabelos são lisos

         De tanto os acarinhares

          Escorregam os olhos suaves

          Pairando pelo calor

          Lembrando o vôo das aves

          Nos dedos do teu Amor

(Poema popular de um anónimo, traduzido livremente por Mateus Oliveira W.)



Project Fountain-1 poema traduzido
7 Dezembro 2010, 9:38 am
Filed under: Project Fountain | Etiquetas: , ,

 

Quatro negras nuvens

Quatro nuvens negras podem parecer o bastante para preencher o céu,

cada uma com a tensão do relâmpago e a boca fechada no momento anterior ao trovão.

As nuvens negras em formação militar voam à altitude certa para  taparem a luz.

E porque contêm o choro,  a  raiva de serem tão tristes e escuras,   ficam suspensas a matutar numa morte lenta em vez de trovoada.

Quatro nuvens pretas transportam-se aos ombros.

Nem está frio nem está calor, está dormente,  de dentro como de fora.

Cinza em pó que se cola a tudo, até à memória do sol .

Talvez que se lave na chuva, pode ser que se dilua na água e faça outras nuvens mais negras,

mas isso tem um tempo e nesse intervalo está a possibilidade de se vislumbrar o sol.

Assim só de relance mesmo que se sonhe com um chapão de luz.

Também fica bonita a luz a dançar entre as frestas do estore. Assim como se brincasse, num convite jovial, um teasing natural, e ninguém tem pressa de ter toda a luz de uma só vez.

Diz que cega ou encandeia, impossibilita o interesse.

Por isso puseram 4 nuvens negras no céu.

( poema de Florence U. , traduzido por Florêncio T.)



Project Fountain (2 poemas traduzidos)
20 Novembro 2010, 5:51 pm
Filed under: Project Fountain | Etiquetas: , ,

Apartado-Posta restante

Hoje saí para a rua e nem pensei em mais nada que não fosse sair.

Porque a casa e todas as casas seriam demasiado pequenas. 

Quando se ri  por não saber cumprimentar as flores devidamente, quer dizer que se ama.

 Sim.   Amar com a convicção exemplar dos suícidas, claro.

 Isso é  assim exactamente. Pode-se morrer  e renascer tantas vezes por dia que as funerárias amorosas serão o  negócio  mais florescente que algum dia puderá existir. E decerto este anseio que reverdesce é feito de pétalas que nos turvam. Benditas .

Amar assim faz dos jovens tontos e dos velhos saudosos. Mas sair de casa à pressa deixa sempre parte da razão.

Os jovens admiram o que acham que hão-de ultrapassar, e os velhos dizem que  querem acreditar que agora sabem que nem sempre valerá a pena sair de casa.

(poema de Trails F forg. raduzido por Trans. Correct)

Qualquer dia hão-de comercializar comprimidos para chorar.

Se eu morrer, inadvertidamente, fora do tempo que se espera;

Decerto naturalmente  matas o sonho de eu ser uma das asas do corpo que imaginei  pudessemos ter.

A diferença do que era ter sido presente, eventualmente, durante uns dias,  fará com que ponhas a mesa com um lugar para a minha ausência. Sentirás nos objectos o registo de mim, saberás que eu sem ser possível  estar, fiquei a ressoar na chávena de barro como as mãos do oleiro .

E continuarás a ser silenciosamente tu mesmo, porque ninguém precisa do outro para respirar o que é. Desconfio que bem dentro de ti tens o espelho que te devolve o ser completo. O teu corpo autónomo é o casulo de uma borboleta inteira.

Já não se morre de amor, isso é doentio.

Mas fazer o luto é apropriado, e assim talvez chegasses a comprar os comprimidos que induzem o choro.

(Louise G. Traduzido por Rosalinda  F. T.)